quarta-feira, 3 de junho de 2009

O charme da madeira de demolição

Foto: picasa
A madeira de demolição está cada vez mais na moda, afinal madeira é atemporal em decoração e reutilizá-la de diversas formas é ecologicamente correto. Pensando nisso, o mercado de materiais de construção já está criando versões de porcelanato que reproduzem a madeira de demolição. A novidade tem textura rústica com tato agradável, as cores naturais e as características da madeira, e é indicada para áreas internas e externas, deixando o ambiente com um charme bem aconchegante. E melhor: é prática e resistente, com formatos que surgem como tendência mundial para quem busca diferenciação. Segundo o arquiteto Allan Feio, o mercado já dispõe de inúmeros produtos que oferecem a imitação perfeita do produto natural. “Existem porcelanatos e cerâmicas para os pisos e também placas de MDF e MDP encontradas em lojas de móveis planejados, que imitam perfeitamente a madeira de demolição”, assegura. Os produtos podem ser encontrados em tons claros, médios e escuros e ainda destacam características naturais da madeira como veios, nós e relevos. Aliado a isso está a facilidade de limpeza com água, alta proteção contra areia e produtos químicos diluídos. “É possível identificar que se trata de um material não original, principalmente no caso dos pisos, mas fica bem bonito”, garante Allan. O preço dos produtos chega a ser vantajoso, já que podem ser mais baratos que os originais e mais leves no peso do material. A facilidade de encontrar os similares também é um ponto a favor. “Não vejo desvantagens aparentes, a não ser que não são peças originais. Talvez, a diferença maior esteja no peso da peça, pois os originais, como são maciços, pesam bem mais. A durabilidade também é menor que a madeira original”, avalia o arquiteto. Existem lojas especializadas em madeira de demolição que vendem peças brutas para serem transformadas em pisos ou móveis como mesas, bancos, aparadores, etc. São recuperadas de casarões antigos, galpões e trilhos de trem e recebem tratamento. “São madeiras de excelente qualidade, como o ipê, o jatobá, a peroba e o jacarandá. A maioria das peças exibe o desgaste do tempo, apresentando marcas de pregos, parafusos e pinturas antigas. É possível encontrar móveis prontos em lojas de decoração de Belém”, sugere. De acordo com Allan, a madeira de demolição é um material que tem um custo alto, pois a peça, muitas vezes, precisa ser restaurada e trabalhada. “Um piso em madeira de demolição original pode custar até R$ 300 o metro quadrado, mais caro que qualquer outro material sofisticado. Já nos móveis, o valor vai variar de acordo com o tipo de madeira e o tamanho da peça”, analisa. Para Allan Feio, a criatividade é o grande segredo para fazer um bom aproveitamento da material de demolição. Pode ser uma bancada no lavabo, um aparador na sala ou hall de entrada, um painel na parede do home theater, um banco na varanda, uma mesa na sala de jantar, um balcão na cozinha ou em qualquer outro ambiente.
Publicado na Revista Diário em 31/05/09

4 comentários:

alexandre disse...

Acho lindo e perfeito aproveitar belas madeiras antigas com o novo é demais parabém,vendo essas madeiras jacaranda cedro viatico,quem costa é o mario dono da churrascaria marius.meu tel 024 88088816

Pro Design by Espaço São Francisco disse...

Sou Designer de interiores e tenho uma empresa especializada em móveis e projetos de madeira de demolição no RJ/RJ , tenho como clientes assíduos a Tv Globo e Tv Record entre outras grandes empresas. É de extrema elegância e beleza os móveis em madeiras envelhecidas, muitas são de mais de 100 anos de idade. Ótima matéria e com certeza só tem a valorizar usando o efeito maravilhoso do mobiliário em madeira de demolição em seus projetos de arquitetura. www.espacosaofrancisco.com.br

valter disse...

olá sou mg tenho madeira de demolição para negociar fone 0xx3591656354

Anônimo disse...

Alan boa tarde,sou marceneiro e estou precisando atender uma cliente que quer fazer armário e painel de madeira de demolição, mas como nunca fiz estou encontando dificuldades para encontrar a madeira dE demolição aqui no Rio de Janeiro principalmente na Baixada.